Como escolher um curso de idiomas – parte 2

Fórmulas mágicas não existem

Ter fluência em um idioma exige treino e dedicação. Não há fórmulas mágicas para aprender muito em pouco tempo, que não signifiquem muito esforço. Aprender a dirigir, andar de bicicleta, tocar um instrumento musical, exige muita prática até que se torne algo intuitivo e natural. Com idiomas não é diferente. Então, fique longe das fórmulas mágicas que oferecem no mercado.

Desconfie de contratos com rescisões pesadas

Algumas escolas têm adotado práticas contratuais e comerciais no mínimo suspeitas. Algumas exigem que todo o material seja adquirido no início do curso. Outras praticam multas rescisórias pesadas. Tais práticas podem prejudicá-lo caso o curso não tenha a qualidade esperada. Portanto, pense bem antes de matricular-se nestas escolas.

Pesquise a reputação da escola

Conheça a experiência de alunos anteriores. A Internet é fantástica para isso. Com uma simples consulta, você pode conhecer mais sobre como a escola trata seus alunos.

Conheça o professor

O conhecimento e a empatia do professor são fundamentais para seu progresso. Portanto, procure conhecê-lo antes de se matricular. Peça informações sobre experiências anteriores e currículos. Veja a possibilidade de fazer aulas experimentais. Isso ajudará na sua decisão.

Não se limite às aulas

Faça tarefas de casa, busque exercitar o idioma em qualquer ocasião. O novo idioma deve se tornar rotina e parte de seus pensamentos. Por mais elevada que seja a carga do curso, você precisará ampliá-la por conta própria. O momento de atividades fora de aula, sem auxílio e interferência do professor, favorece a reflexão e a experimentação do conhecimento e por isso é determinante no ritmo de aprendizado.

Conheça o método

Algumas escolas trabalham com métodos rígidos, que não permitem adaptações aos alunos. Outras têm métodos mais flexíveis. Algumas pregam que a aula seja ministrada 100% no idioma estrangeiro, outras abrem possibilidades para o uso do idioma nativo. Cada característica possui prós e contras. Abaixo estão as mais comuns, acompanhadas de uma análise para que você identifique a que mais condiz com seus interesses.

Tamanho das turmas

É recomendável que as turmas tenham no máximo 6 pessoas. Turmas maiores inviabilizam exercícios de audição e conversação. Nas aulas em turma, a atenção compartilhada do professor prejudica o acompanhamento de alunos com dificuldades. Alunos mais ágeis também podem se sentir desestimulados.

Para exercícios de conversação é recomendável que a turma tenha no mínimo 3 alunos, pois torna a aula mais dinâmica e agradável, uma verdadeira troca de experiências.

Temas e faixa etária

Escolha uma escola com método compatível a sua faixa etária e seus objetivos. Adultos têm metas, interesses e comprometimento muito diferentes de crianças e adolescentes. O que estimula um adulto a adquirir conhecimento é essencialmente o resultado, a aplicação do idioma no dia a dia profissional ou em momentos de lazer social, como jantares, eventos, filmes, etc.

Escolher um método compatível com os objetivos e temas do aluno é fundamental para que seja mantido o interesse.

Continue acompanhando os próximos posts sobre ‘Como escolher um curso de idiomas – parte 3’, você também pode ler o anterior.